Monthly Archives: setembro 2016

O que são Erros de Refração?

erros-refracao

erros-refracao

Em assuntos relacionados com visão, é bem comum a utilização do termo erros de refração. Eles ocorrem quando os feixes de luz acabam sendo desviados do seu foco original, que é a região da retina, devido ao formato ocular.

Uma das características dos erros de refração é a pouca ou quase nula nitidez da visão, com quadros adversos à saúde dos olhos, sendo que algumas das patologias mais recorrentes são bem conhecidas, como a presbiopia, miopia, hipermetropia e astigmatismo.

Presbiopia

Este erro de refração chamado de presbiopia está relacionado com a lente natural dos olhos (cristalino) e também com a questão da idade, surgindo geralmente em pessoas na faixa etária dos 40 anos. Chamada de “vista cansada”, a presbiopia pode ser corrigida com o uso de óculos multifocais.

Leia também: Entenda o que é Presbiopia, também conhecida como vista cansada

Miopia

Um dos mais recorrentes tipos de erros de refração, a miopia atinge cerca de 30% das pessoas, sendo que asiáticos costumam desenvolver de forma mais acentuada esta patologia (até 70%). Neste erro de refração, a principal reclamação dos pacientes é a dificuldade de enxergar objetos a longa distância. Ela pode aparecer entre os 8 e 14 anos e progredir até cerca de 25 anos, período onde ela costuma se estabilizar.

Leia também: Como é a cirurgia de correção da miopia?

Hipermetropia

Ao contrário da miopia, a dificuldade na hipermetropia é a de se enxergar objetos próximos, no entanto, a visão distante também sofre com a perda da nitidez. Pessoas acometidas desta disfunção também costumam sofrer com dor de cabeça e fadiga ocular.

Astigmatismo

Quanto ao astigmatismo, ele se caracteriza via de regra, por irregularidades no tocante a córnea. Ela perde sua forma esférica, tornando-se elíptica, o que causa a distorção da visão. Neste caso, tanto a visão de perto quanto de longe são comprometidas e afetadas.

É importante que ao sentir quaisquer sintomas mencionados, se procure um médico oftalmologista para que ele possa tecer o correto diagnóstico e também proceda com o tratamento adequado.


7 perguntas a fazer para o oftalmologista

perguntas-oftalmologista

perguntas-oftalmologista

Ao ir até o consultório de um oftalmologista, é comum que as pessoas se apresentem à consulta, com uma série de dúvidas e alguns mitos alimentados durante anos. Há algumas perguntas que são consideradas, das quais, elencaremos 7 delas a seguir.

1- Qual o momento ideal para levar os filhos ao oftalmologista?

Isso pode variar e não há uma regra específica. No entanto, é conveniente levar o bebê a se consultar com um oftalmologista a partir dos 6 meses, ou antes caso se perceba alguma anomalia na visão da criança.

2- Visão dupla é uma anomalia de fundo neurológico ou oftalmológico?

E grande parte a visão dupla é causada por problemas nos músculos dos olhos, no entanto, ela também pode ser oriunda de causas neurológicas. Alguns casos de visão dupla estão relacionados com doenças como diabetes, hipertensão arterial e alteração da tireoide.

3- O que causa escurecimento súbito de visão ao se levantar de forma rápida?

Hipotensão postural é a provável causa deste fenômeno. É uma queda brusca na pressão arterial. Caso seja um fator frequente, é preciso consultar o médico oftalmologista.

4- A limpeza dos olhos do bebê deve seguir quais procedimentos?

Os olhos dos bebês NÃO DEVEM SER LIMPADOS, mas sim os cílios, pálpebras e ao redor dos olhos. Água filtrada e gaze molhada é o suficiente.

5- O exame médico oftalmológico requer qual frequência?

Isto irá variar de acordo com faixa etária e a presença de problemas de visão. A partir dos 40 anos, o ideal é consultar o médico regularmente e pessoas com doença ocular ou histórico familiar devem fazer exames de acordo com a gravidade de cada caso.

6- Lavar os olhos com água boricada ou soro fisiológico é saudável?

O ideal é o uso de colírios indicados pelo médico oftalmologista.

7- “Forçar a vista” piora o “grau dos olhos”?

Trata-se de um mito. Estudos recentes começam a levar em consideração outros fatores no tocante a piora do grau dos olhos, como por exemplo o fator genético como desencadeador de ametropia.


Vitamina C é uma aliada da saúde dos olhos

vitamina-c-saude-olhos

É notório de todos que a alimentação influencia diretamente na saúde das pessoas, e que determinados alimentos e suas substâncias e nutrientes são responsáveis por uma série de efeitos benéficos ao organismo humano. É o caso da Vitamina C, por exemplo, encontrada em alguns alimentos, que é tida, entre outras qualidades, como forte aliada da saúde dos olhos.

vitamina-c-saude-olhos

Embora tais nutrientes não executem “milagres” em relação à visão, a vitamina C, encontrada em abundância na cenoura e outros alimentos, revela inegáveis benefícios à saúde ocular.

Como manter os olhos saudáveis com vitamina C

Um dos motivos pelos quais a vitamina C proporciona benefícios aos olhos se dá sobretudo pelo seu efeito antioxidante, fator também encontrado em outras vitaminas, como a vitamina A e também como a vitamina E.

Devido ao seu efeito antioxidante, a vitamina C consegue preservar tecidos e células oculares, saudáveis. Estudos apontam que a vitamina C é capaz de prevenir o surgimento de doenças nos olhos, caso da catarata, sendo que os efeitos benéficos desta vitamina se potencializam se combinada com a vitamina E.

É importante ter em mente que os efeitos benéficos da vitamina C no organismo humano variam de pessoa para pessoa, de acordo com sua faixa etária, histórico de doenças, estilo de vida, além de fatores como estatura, idade, peso, sexo, etc.

Alimentos que são fontes de vitamina C

A vitamina C está presente em uma série de alimentos, especialmente em algumas frutas cítricas. Algumas frutas fontes de vitamina C são a acerola, goiaba, laranja, kiwi, abacaxi, manga, morango, entre outras.

Pode-se encontrar vitamina C em outros alimentos, tais como tomate, vegetais diversos de folhas verdes, couve, cenoura, pimentão, brócolis, acelga, couve-flor, etc.

Para aproveitar de maneira mais eficiente os benefícios da vitamina C para a visão, é aconselhado consumir estes alimentos sempre frescos. No caso de sucos de fruta, o ideal é consumir imediatamente.


Os tipos de astigmatismo e as lentes corretivas

causas-astigmatismo

causas-astigmatismo

Ocorrendo em pessoas de qualquer faixa etária, o astigmatismo compreende a uma imperfeição visual que necessita de correção para que a visão distorcida e borrada seja otimizada e o paciente passe a enxergar normalmente.

Em geral, o astigmatismo é divido em:

• Astigmatismo Miópico Simples: pode ser corrigido com o uso de lente cilíndrica do tipo Plana/Cilíndrica Negativa.
• Astigmatismo Miópico Composto: pode ser corrigido com o uso de lente cilíndrica do tipo Esférico negativo e Cilíndrico negativo.
• Astigmatismo Hipermetrópico (ou Hiperópico Simples): pode ser corrigido com o uso de lente cilíndrica do tipo Plano/Cilíndrica Positiva.
• Astigmatismo Hipermetrópico Composto (ou Hiperópico Composto): se corrige com o uso de lente cilíndrica do tipo Esférico Positivo com Cilíndrico Positivo.
• Astigmatismo Misto: costuma ser corrigido com o uso de lente cilíndrica do tipo Esférico Positivo ou negativo, mas com o Cilíndrico em vergência contrária.

Causas do Astigmatismo

O astigmatismo acontece em decorrência da uma forma irregular do cristalino ou córnea, o que altera a concentração de luz na retina, resultando na visão turva e embaçada.

É preciso ter o diagnóstico correto efetuado pelo médico oftalmologista para que o paciente procure formas de tratamento corretivo, como por exemplo, o uso de lentes corretivas.

Lentes corretivas para astigmatismo

O uso de lentes corretivas propicia aos usuários a compensação da forma irregular do cristalino ou córnea, permitindo que a luz na retina possa se concentrar de maneira adequada.

Há lentes disponíveis no mercado, amparadas pela mais alta tecnologia de ponta, visando o tratamento e correção mais eficaz para a visão. É o caso das lentes que possuem Desenho de Estabilização Acelerada (DEA). Tal tecnologia permite o melhor posicionamento das lentes nos olhos, minimizando ao máximo casos em que elas girem ou mudem de posição, fazendo com que elas se posicionem rapidamente até a posição de origem.

A consequência desta tecnologia é uma visão com ampla estabilidade e conforto.


5 formas de cuidar melhor da visão

cuidar-visao-saude

Tão necessário quanto cuidar da alimentação, do físico e da mente, a saúde dos olhos também demanda uma série de cuidados importantes. No entanto, muitas pessoas esquecem de se ater a este fato e ignoram este viés da saúde humana, ao não cuidar da visão.

cuidar-visao-saude

Muito embora muitos dos cuidados com a visão precisam da atenção de um médico oftalmologista, há uma série de zelos que podem ser efetuados pelo próprio paciente, mesmo fora de um tratamento no consultório do doutor. Elencamos 5 formas de cuidar melhor da visão a seguir.

1- Não usar colírio sem indicação de um profissional dos olhos

Como o colírio é um medicamento, deve-se usá-lo somente com prescrição médica. Ao não usar um medicamento sem recomendação médica o paciente evita afetar a visão. O ideal ao sentir qualquer incomodo na visão é procurar a ajuda de um médico.

2- Guardar de maneira adequada os óculos

Preservar os óculos é uma forma de preservar a saúde ocular e uma boa maneira de proteger os óculos é armazenando-o de maneira correta, como em seu estojo, por exemplo.

3- Proteger os olhos

Algumas profissões que oferecem riscos à visão recomendam e obrigam o uso de óculos de segurança para a proteção. Determinadas práticas esportivas também podem ser nocivas aos olhos, daí a importância de sempre proteger a visão.

4- Preservar a visão dos raios UV

O sol pode ser um grande inimigo da visão. Bloqueie os raios nocivos do sol com o uso de óculos de sol.

5- Se consultar regularmente com o médico oftalmologista

O mais importante cuidado com a visão é ir com frequência regular ao consultório médico para que ele possa avaliar como está a visão do paciente, solicitar exames, fazer a prevenção, diagnóstico correto e se for o caso, o tratamento adequado.


O que é terapia visual?

terapia-visual

Solucionar problemas visuais em seus mais diversos espectros com extremo sucesso é o principal viés do termo “Terapia Visual”. As definições podem variar de acordo com a área do especialista (Oftalmologista, Óptico, Optometrista ou Ortoptista), porém, a intenção e sentido da prática são os mesmos.

terapia-visual

Terapia Visual em linhas gerais
Podemos, em linhas gerais, definir a Terapia Visual com sendo uma espécie de tratamento personalizado que visa sanar diferentes deficiências visuais, sejam elas de ordem perceptual, cognitiva ou oculomotoras, por exemplo.

Ela consegue ótimos resultados, especialmente em pacientes que apresentam dificuldade de leitura, escrita, e até mesmo no cálculo de avaliação das distâncias, entre outras mazelas.

Neste processo, há uma série de exercícios que buscam ajudar o cérebro a controlar e ampliar sua capacidade em diferentes fatores, como o alinhamento ocular, as capacidades de focar imagens, processamento de informação da visão, bem como os movimentos oculares.

Indicações
A Terapia Visual é indicada, sobretudo, para adultos ou crianças que apresentem quadros como complicações na memória visual, problemas de coordenação olho-mão, convergência dificultada, má coordenação binocular (ou seja, quando os dois olhos não trabalham concomitantemente de maneira efetiva), e também em casos de estrabismos e ambliopia.

Eficácia visual
A Terapia Visual é uma excelente ferramenta para proporcionar aos pacientes acometidos de estrabismos (o famoso desvio dos olhos) e ambliopia (o popular olho preguiçoso), uma maior eficácia visual.

Os resultados comprovados indicam, aliás, que por meio da Terapia Visual, a eficácia é ainda mais benéfica do que outros métodos, caso de uso de óculos e cirurgias sem agregar a terapia, por exemplo.

Consultar um médico especialista neste setor é essencial para que ele possa tecer um diagnóstico apropriado e avaliar a necessidade ou não de indicar a Terapia Visual para solucionar os diferentes problemas de visão existentes.


Ceratocone: entenda o que é

ceratocone

Embora muitas pessoas desconheçam, a Ceratocone é uma doença ocular muito comum. Atingindo principalmente indivíduos que se encontram na faixa etária que corresponde a juventude e adolescência, a Ceratocone está relacionada de forma bem íntima com a Miopia e o Astigmatismo.

ceratocone

Ceratocone: definição
Define-se o quadro de Ceratocone como uma espécie de afinamento das córneas. Trata-se de uma doença ectásica da córnea, caracterizada por mazelas como astigmatismo, bem como miopia.

Sua principal característica é a de alterar a forma da córnea, via de regra, esférica, para um formato similar ao de um cone, prejudicando demasiadamente a visão e de formar progressiva, levando a perca da visão.

Quanto mais rápido se proceder no tratamento desta disfunção na região ocular, melhores são as chances de se prevenir maiores problemas decorrentes da Ceratocone.

Causas e sintomas da Ceratocone
De acordo os mais recentes estudos, além de fatores que envolvem o contexto de vida e ambiente, um dos principais fatores que resultam na manifestação da Ceratocone é a predisposição genética.

O fato de se coçar freneticamente e rotineiramente os olhos, também pode agilizar o surgimento da doença em pessoas que possuem esta predisposição oriunda de elementos genéticos.

Dentre os sintomas mais comuns, o aumento progressivo do número do grau utilizado nos óculos, bem como a visão de baixa qualidade, são os predominantes.

Tratamento da Ceratocone
Dentre os tratamentos desta doença ocular, nos estágios iniciais tem sido comum a utilização de um procedimento denominado Cross-Linking de colágeno, impedindo a evolução da doença.

Outro tratamento comum nestes casos é o implante de um anel intracorneano, que ajuda na recuperação da visão do paciente.

Medidas preventivas
Oftalmologistas aconselham não coçar os olhos e, principalmente se consultar com um profissional especializado em doenças nos olhos, para que possa ser feito tanto o diagnóstico quanto o tratamento adequado.


O que é Pterígio?

o-que-e-pterigio

o-que-e-pterigio

Conhecido popularmente como “carne crescida”, o pterígio também é comumente confundido com a anomalia da catarata, muito embora sejam situações completamente distintas. Além do desconforto visual decorrente de quadros de irritação ocular, o pterígio resulta também em um problema estético, uma vez que um de seus sintomas mais comuns, a vermelhidão nos olhos, causa desconforto e constrangimento nas pessoas acometidas desta doença.

Definindo Pterígio
O pterígio se caracteriza pelo tecido fibrovascular que cresce exatamente na córnea do olho. Caso não seja tratado, o pterígio pode acarretar em um crescimento deste tecido, complicando ainda mais a questão, chegando ao ponto de encobrir parcialmente ou completamente a visão. Quando o pterígio atinge a medida de 2,5mm ele deve ser removido por meio de cirurgia.

Principais causas do pterígio
Exposição frequente à luz solar, além de fatores genéticos são as principais causas da incidência do pterígio.

Sintomas mais comuns do pterígio
Um sintoma de extrema incidência decorrente do pterígio é a vermelhidão nos olhos, geralmente, na extremidade do olho próximo ao nariz. Sensação de areia nas vistas, ardência constante acompanhada de lacrimejamento, também podem ser indícios da ocorrência do pterígio.

Evolução
A evolução do pterígio se dá da seguinte forma: inicialmente ele é minúsculo, e só pode ser observado como pequenos vasos de sangue situados na proximidade das córneas. Entretanto, esses vasos engrossam, sendo que o tecido caminha rumo a região central, chegando até a pupila.

É exatamente quando isso ocorre que a visão passa a ser comprometida. O tempo desta evolução pode variar, entretanto, costuma se dar de maneira lenta, no decorrer de meses até anos.

É importante que todas as pessoas que sentirem tais sintomas e incômodos nos olhos procurem imediatamente um oftalmologista para melhor avaliação. Somente ele está preparado para indicar os melhor tratamento e cirurgia no caso de um diagnóstico de pterígio.